sábado, 24 de outubro de 2009

Sem rumo

Quando criança ela sentia-se a menina mais feliz do mundo e que nada e nenhum problema iria afetá-la. Problemas com dinhero, inveja e até mesmo stress eram coisas para ela que não existia e sem que ninguém pudesse notar ela em seu cantinho ficava matutando como alguém podia sentir ou passar por tais coisas.

Aos poucos ela foi crescendo e junto foi descobrindo o mundo como ele realmente é, se antes tudo era perfeito, agora, as coisas mudariam um pouco, talvez ficassem boas, mas não perfeitas.
Ela agora sabia que convivemos com pessoas que não só falam bem de você, mas falam mal e o mais duro de tudo, muitas vezes sem você saber. No colégio ela decobriu que alguns amigos (para ela amigo era para sempre) não são amigos, e sim colegas. Também descobriu que garotas podem ser más, mas garotos podem ser piores ainda.

Mais grandinha, o mundo agora para ela não era mais uma coisa boa e ao crescer mais descobriu que era uma coisa média. Seu corpo começara a mudar, um novo modo de encarar o mundo ela passou a ter, descobriu que pessoas não são para sempre e assim, sem mais nem menos elas pode ir, dúvidas, questinamentos, várias interrogações na cabeça, quanta informação para ela, mas a pergunta que não quer tirar da cabeça é "Como uma pessoa pode fazer mal a outra?" pergunta essa que nunca será respondida.

Agora, o mundo para ela não é mais uma coisa média, ele passa a ser um lugar habitável, os planos podem nem sempre dar certo, frustrações, pessoas te machucam com tal intensidade que dói lá no fundo, mas de tudo isso surge uma palavra que ela entende realmente o que é: batalhar, ela sabe qual é o gosto de tanto batalhar e no final ser recompensada. É...parece que os momentos de felicidade vão diminuindo...

Hoje em dia, aqui é um lugar de passagem, talvez uma passagem rápida, ela magoa os outros com facilidade e não sabe o porquê, a vida as vezes não é uma dadiva, pelo contrário, é um fato que tem-se que acostumar, não entende por que existe tanto sofrimento, por que as pessoas matam, roubam, passam fome...Dinheiro, dinheiro, dinheiro, é o que as pessoas querem e mais desejam, realções se baseiam no dinheiro. Se antes seus dias eram repletos de sorrisos, hoje estes são em menor frequencia, ele deu lugar a uma coisa chamada lágrimas..

Mas de todo esse caos cinza nasce uma luz conhecida por muitos, alcançada por poucos, o amor verdadeiro, esse ela descobriu e ela sabe reconhecer que foi a melhor coisa que lhe aconteceu e que ele é mais que verdadeiro é o puro amor. O mundo é cinza, e as vezes ela, e outras pessoas se sentem sem rumo, mas uma coisa pode mudar totalmente sua vida...

Um comentário:

Delano Alexandria disse...

Legal, Legal mesmo..

Beijoss!!